Souvenir do silêncio

No leito majestoso do tempo penetram ilusões
Portentosas perfumando cada manhã que se espreguiça
Impetuosa deixando-nos um manjar de iguarias suspirando
Qual souvenir mais saciante e apetitoso

Fiz um reset ao silêncio que emoldura as
Prateleiras da minha solidão convergindo emancipada,
Implacável, até que se amarfanhe a noite amiga intocável
Urrando e refrigerando o semblante do tempo imodificável

Pernoitam em ti os aromas ensurdecedores que adornam a
Vida proliferando majestosa bramindo mensagens de concórdia
Entre homens e mulheres de boa vontade, que deixam uma vénia de
Conivências a um amor partilhado com tamanha acuidade e complacência

Num dócil momento apaziguante vandalizei-te a saudade
Infestada de memórias tão simpatizantes intimando todo meu
Reportório com versos mais insanos e escoriantes rompendo a manhã
Grisalha, desesperada que se escuda em mim, faminta e superada

FC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s