Terna é a Noite

Pelos cantos da memória vagueiam
Braseiros de felicidade cutucando
Preciosas gargalhadas de uma meninice
Desaguando a centímetros de um sonho estocado
Na tela destes versos que se refrescam autenticados

Terna é a noite que fenece espancando a solidão que
Rima tentadoramente com desilusão deixando para adopção
A filiação da gestante luz seduzindo insaciáveis momentos
Acolhedoramente abandonados nesta minha imensa reclusão

Generoso e abnegado prevalece o silêncio depositado
No cântaro das saudades profusas e expurgadas
Vestindo o smoking à madrugada intimidada, pintalgada
De desejos e paixões estuprando este sonho tão empolgado

Dançam meus versos em rimas subtis embalando cada
Maiúscula existência dos nossos seres confinados à simetria do
Amor propagando-se qual ígnea chama instigada, refrigerando
Com guloseimas de prazer toda a tentação acontecendo embriagada

FC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s