In extremis…

Todo eco invade o olhar brilhando na candura
De muitos gestos latentes deixando sem remetente
Aquele sorriso oculto na perfumada lembrança que
Reinvento cada vez que acoberto festejos e folganças
Coexistindo gratuitamente seduzidas pela pujante esperança

Nas teias do tempo armei meu diálogo embebido nas
Palavras delicadamente audazes, tentadoramente fugazes
Delirando pelo corpo do silêncio onde teço as mais nobres
Fantasias poéticas entranhando-se no curvilíneo momento
Infestado de beijos e abraços…oh, como eu sei tão vorazes

A caravela das ilusões zarpou agora deixando meu porto
Mais inseguro solitário, obscuro, sedando a noite que implode
Vítima de uma ilusão déspota imigrando pela diáspora dos tempos
Que embalam meu repertório insaciável de palavras e versos inalienáveis

A luz engoliu a solidão que ainda pernoitava nos aposentos
De uma desfragmentada madrugada e ali, in extremis desatei os
Nós do prazer onde  em cada vestígio do teu perfume me algemara
Aquietando todas as carícias que sedento resgatei e até minhas dores sarara

FC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s