Onde jaz a noite

Na periferia do silêncio pernoitam uma
Vastidão de olhares súplices reflectindo
Um pulsante lamento, presumo eu, embebedando
Esta noite cúmplice que se perpetua farsante
Desfraldando um sonho incandescente e possante

Recém chegada
A noite inunda o perfil
Do tempo suspenso numa densidade
De lamentos acometidos e aconchegados
Aos gemidos silenciosos soçobrando homologados

No chilreio da madrugada encontro sorrisos
Levedando na face da lua que espreita
Meus versos se excitando…desapego de
Uma saudade debruçada no tempo hibernando

Transborda a esperança regando meu jardim
Da fé onde se coam orações com tamanha pujança
Até se apagarem as solidões rondando de soslaio
A vida, em fuga pelo silêncio abissal,em festança

Deixo a cegueira dos meus olhos verem somente
O espectro do teu ser passeando no limbo de todas
As ausências infinitas…oh submersa e súbtil ilusão que
Trajas as alvoradas explícitas com beijos deixados de infusão

FC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s