Sol e sombras

 

 

Hoje acordou o dia
sem vestígios de sol
Nublado o silêncio
fugia nas palavras que remanescem
sem presságios ou letítgios num
eco de luz arquejante algemado
às bermas deste poema onde todas
as horas felizes adormecem
atadas à sombra do dia nascendo
pasmado

Só restam aparências purpurinas
do dia saltitando pelas arcadas da
solidão alimentando a chuva miúda
numa ínfima fracção de tempo
onde cada estilhaço de luz ténue
cintila amiúde pelas frinchas do vento
breve e grácil em serena plenitude


FC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s