Ontem o adeus…

 

Ontem o adeus
Hoje esta esperança
Ver todo o renascer
Em cada porção de tempo
Pendurado no chaveiro da vida
E de vida em comunhão
Abruptamente em ti
Depois convalescer

Ontem a vida desesperada
Abrindo
As Portas desta solidão
Engolindo num trago o impaciente
Dia renascer de prontidão

Ontem cada olhar
Num olhar indiferente
Resumir toda uma noite
Dormitando na lápide da vida
Embebedando-me de amor
serenamente

Ontem a desfeita da saudade
Rugindo no silente silêncio
Que jaz junto aos meus sonhos
Palmilhando o adormecer ao
Redor da nossa cumplicidade

Ontem o adeus
Tatuado às hemorragias
Deixadas pelo vazio das
Palavras ditas sem cordialidade
Hoje um poema rendido no
Leito da serenidade onde sustento
Meus versos com tanta perplexidade

Ontem este adeus
Empanturrado, incrédulo
Indefeso
Esguichando a luz escorregadia
Pela frincha do tempo enterrado
No cemitério da morte
Tão vadia…tão faminta

Ontem o adeus
Confiscado
Perdido num burburinho
No meu peito acantonado
Amanhã a revelação estética
Dos nossos seres decifrando
A esquadria da cada sílaba
Recrudescendo no tempo
Erguido na deflagração da
Vida em plena e frenética
Combustão

FC

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s